Treinamento de Líderes: Empodere seus colaboradores (corporativo)

Treinamento de líderes? Sim, é possível dar treinamentos para líderes. Mas ninguém se torna líder por treinamento. Parece uma contradição. Vejamos.
Treinamento é sempre algo que vem de fora para dentro. Envolve transmissão de conhecimentos, habilidades, competências. Envolve ensinamentos para adquirir novos meios de atuar em determinada atividade, de melhor exercer uma função.

Tudo isso são coisas muito úteis para quem é líder, para ampliar sua competência. Através do treinamento de líderes, pode-se adquirir novas ou melhores técnicas de comunicação, é possível aprender controles mais eficazes em busca de melhores resultados, aprender novos processos administrativos, etc. Tudo isso, porém, caracteriza não o líder, mas o gestor. E como isso é importante!

Mas liderança não se aprende por treinamento. Liderança é algo que atua de dentro para fora. Aliás, liderança não se adquire. Ela já existe no interior das pessoas. Portanto, liderança não precisa de treinador. Mas, como geralmente está adormecida, inconsciente, é preciso um impulsionador, um despertador, muitas vezes um orientador. Através de workshops vivenciais é possível fazer aflorar todo um potencial de liderança, de condução de equipes, de articulação de forças em busca de objetivos.

Diferença entre Gestão e Liderança

Aqui nós chegamos a um dos temas favoritos de nosso sistema ISOR® conectado ao treinamento de líderes. O treinador está mais para coaching, aliás onde está a origem do termo tão em voga atualmente: o coach. O coaching é um conjunto ferramental de treinamentos em busca de melhores resultados no processo de gestão organizacional. O coaching, pois, foca no aperfeiçoamento institucional.

O mentoring, por sua vez, está focado no lado humano, buscar despertar, antes de tudo, o potencial de autoconhecimento, autodescoberta e autodesenvolvimento. O mentor é um instrumento de ampliação de visão de mundo e de si mesmo. O mentor desperta no mentorado o seu próprio modelo interior, que é dinâmico, evolutivo e tem sua própria expressão. E é nisso que se apoia a liderança e também é aí que o treina-mento de líderes realmente transforma. O mentor faz com que o mentorado passe a acreditar mais em si mesmo, a ousar, a não ter receio de ser diferente, de jogar mais solto.

Estou pensando no futebol. O treinador ou coach monta e treina sua equipe em estratégias de jogo, dispõe a equipe a aproveitar ao máximo as capacidades de cada jogador, tanto para defender-se do adversário, quanto para superá-lo em direção ao gol. Mas o treinador não cria um craque.
O craque tem um potencial que é só dele. O mentor cria os espaços para o craque acreditar em sua capacidade, leva-o a confiar mais em si mesmo e em sua capacidade de se articular com os colegas de equipe. O coach treina os jogadores, individual e coletivamente, para melhor atuarem em busca de resultados.

Todos temos potencialidades quase infinitas em nós. O que precisamos é de oportunidades para essas potencialidades aflorarem. Entre elas está o potencial que pode ser despertado pelo treinamento de líderes.

É possível, sim, treinar um líder a conduzir bem sua equipe, a ser ao mesmo tempo um mentor que desafia o potencial de seus colegas, que os leva a confiarem mais em si mesmo e uns nos outros, a terem uma comunicação mais coerente, a se observarem mais sistemicamente, onde tudo e todos se articulam em função dos objetivos.

E, ao mesmo tempo, treiná-lo em técnicas de planejamento, de controle, de aperfeiçoamento de técnicas e processos, etc. Isto é, juntar as competências de liderança às competências de gestão.

A Mentoria no Treinamento de Líderes faz Diferença

Ao longo da vida muitas pessoas atuam como nossos mentores. São pessoas que despertam em nós confiança na vida, em nós mesmos e nas pessoas. À medida que conseguimos despertar em nós a autoconfiança, nós vamos nos tornando cada vez mais capazes de ativar a confiança nas pessoas. Eis aí o embrião da liderança se manifestando.

A confiança em si mesmo e nas pessoas é o alicerce no qual se sustenta a liderança. E um bom treinamento de líderes deve saber como desenvolvê-la.
O líder desenvolve conexões consigo mesmo, com seus familiares, com seus gestores, com seus colegas, com a equipe, com a organização como um todo, olhando sempre o bem-estar comum, com uma postura assertiva, criativa e de serviço.

O líder é alguém que inspira confiança, segurança, direção segura, o que proporciona um ambiente motivado, alegre e cooperativo. Tudo isso pode ser despertado no treinamento de líderes.

À medida que um líder vai se tornando um verdadeiro mentor em sua equipe, ele vai empoderando seus colaboradores. E sua área de atuação se destaca pela alta produtividade, por expressivos resultados para toda a organização. Sua equipe se torna um viveiro de novos líderes, pessoas autoconfiantes, motivadas e motivadoras, com comunicação aberta, sem jogos de poder. Sua equipe se torna uma sementeira de líderes.

Uma equipe assim prescinde de jogos de poder porque tem consciência de seu poder. A energia de uma equipe que tem um bom líder flui, se movimenta por todos, ora compartilhando o direcionamento das atividades, ora dando ênfase à criação de novos espaços, ora questionando em busca de novas e melhores respostas, ora articulando, convocando, juntando forças.

Treinamento de Líderes para Transformar a Mentalidade dos Colaboradores

Um novo paradigma de educação corporativa vem emergindo nos últimos tempos. Já se entendeu que apenas o treinamento de colaboradores para adquirirem maior qualificação já não é suficiente.

É preciso acionar nas pessoas novas formas de pensar, há que levá-los a trans-porem os limites de suas crenças e valores, dar-lhes oportunidade de ampliarem suas formas de ver o mundo, a vida, a si mesmos e às pessoas, proporcionar-lhes a chance de visualizarem e vivenciarem uma espiritualidade para além de dogmas, a terem uma visão de convivência humana livre de ideologias e posturas exclusivistas. Agora sim, podemos falar em verdadeiro treinamento de líderes.

Com mente aberta, pode-se agora falar em superação de preconceitos de toda ordem. E agora sim, uma organização pode vir a ser um viveiro de líderes para nova convivência, altamente produtivos em vista de seus objetivos, pessoas que inspiram confiança e carinho por parte de sua equipe, da organização, da família e da comunidade.

O que se busca não é apenas dar treinamento de liderança, mas sim instrumentar as pessoas, independentemente de suas funções na organização, a repensarem seus conceitos e ampliarem seus paradigmas, abrirem o leque de suas percepções e de seus modos de avaliar, cooperar para que as pessoas atuem com maior consciência e, sobretudo, com maior coerência em relação a seu modo de pensar, seus critérios de vida e de ação.

Treinamento de líderes eficazes se utilizam hoje de ferramentas a construção de um ambiente onde muitos líderes possam emergir. Ajudam o líder a ouvir e fazer o melhor para aceitar as contribuições e as ideias divergentes dos empregados como tentativa de participação. Agradecem as contribuições, tratam de forma digna e respeitosa todos os membros da organização, comemoram os sucessos, lamentam as perdas. São humanos com humanos. Faço outras reflexões a respeito neste artigo aqui.

Busca-se, portanto, através do treinamento de líderes, acompanhado de um trabalho de mentoria, fazer emergir líderes que desenvolvam uma equipe com reais colaboradores, criando espaços de convivência agradável, criativa, num clima alegre, respeitoso e produtivo.

Um verdadeiro líder não se recusa a usar de seu poder de motivação, congraçamento e visão dinâmica, mas sempre em favor de cada um de sua equipe, de sua organização e buscando o bem comum da comunidade. Ao mesmo tempo promove as pessoas de seu grupo, empodera seus colaboradores, tornando-se um gerador de no-vos líderes que também promovam uma nova convivência, mais humana, com objetivos que transcendam os limites institucionais.

Eis o desafio: Vá além do treinamento de líderes, empodere seus colaboradores. O mundo que está emergindo agradece.