Como um Curso de Mentoring pode ser útil para Terapeutas

Você sabe que um curso de Mentoring pode ser útil para terapeutas? Vamos ver o que é Mentoring e como ele pode ajudar nos processos terapêuticos.

O que é Mentoring?

Sem entrar na origem histórica do termo Mentor, quero ir direto ao foco: Mentoring, como nós o entendemos no Instituto Holos, é uma atividade pedagógica para a ampliação de consciência, em busca de uma vida mais significativa e com mais qualidade.

O Mentoring é, pois, uma metodologia a serviço da evolução do ser humano na sua busca de realização e felicidade. Para isso, propõe a superação de paradigmas limitantes e a redescoberta do sentido de vida, com mais harmonia no campo relacional.

O Mentoring tem variadas aplicações, tais como qualidade em Liderança, em Relacionamentos, em Carreira, em Mentalidade, em Educação, em Esporte, etc., mas há sempre algo em comum que permeia todas essas modalidades: em todas elas se busca integrar o ser humano no todo existencial. Seu objetivo maior não é apenas o desenvolvimento em uma área específica, mas do ser humano como um todo.

O Mentor não ensina nada especificamente, mas faz a pergunta chave: É isso mesmo que você quer? Aonde você quer chegar? Qual é seu verdadeiro propósito?

O Mentoring é um processo de aquisição de nova mentalidade nos relacionamentos e na busca e clareza de uma identidade mais ampla, dinâmica, criativa e condizente com a Vida. Trabalha, pois, o autoconhecimento. Simultaneamente conduz o cliente a rever e reorientar seus campos de relacionamentos. Tem como eixo a felicidade humana e a obtenção de formas de vida mais satisfatórias e coerentes.

Lida com a mente humana, buscando ampliação de visão de si mesmo, das pessoas, das organizações e do mundo em seu todo. Trabalha a identidade pessoal e institucional, a mentalidade, a assertividade da comunicação e a ética.

Quem pode ser Mentor?

Todos os seres são mentores por natureza. Todos exercemos influência nas mentes uns dos outros. Todos estamos influenciando o tempo todo nas crenças, nos valores, nas propostas de vida das pessoas com quem convivemos.

Algumas questões é importante levarmos em conta:

  • Qual o nível de consciência que as pessoas têm de como exercem esta influência nas pessoas e de quanto respeitam as opções de seus influenciados?
  • Que tipo de preparo as pessoas têm para exercitar essa forte influência sobre as pessoas de sua convivência e do seu universo de relações?
  • Qual visão de mundo ou cosmovisão tem e repassa quem exerce influência em outras pessoas?

Este questionamento nos leva a refletir sobre a necessidade de suportes pedagógicos muito claros para formarmos mentores com consciência de sua ação e com mente ampliada, não submissa a nenhuma forma de limitar as pessoas em suas próprias buscas de sentido de vida. O Mentoring, pois, não pode estar vinculado a religiões, filosofias, ideologias. Um verdadeiro Mentoring atua somente em um universo livre e desprovido de submissões.

Mentoring para terapeutas

Terapeutas são pessoas que exercem atividades de entreajuda a pessoas nos mais diferentes campos. Possuem habilidades inatas de atendimento a pessoas ou as adquiriram e aperfeiçoaram através de cursos e formações específicos, oferecendo apoio em suas especialidades. No entanto, esse apoio pode ser de diferentes maneiras. Normalmente, o terapeuta é especializado em uma determinada área ou função.

Há terapeutas formados em ambiente acadêmico, tais como médicos, enfermeiros, dentistas, psicoterapeutas, serviço social, fisioterapeutas, etc. Geralmente, junto a seu preparo específico ao exercício profissional, sua formação no âmbito universitário de modo geral está contida na mentalidade mecanicista e cartesiana predominante no mundo científico e acadêmico.

Evidentemente, não há demérito nisso, pois este ambiente trouxe um fantástico desenvolvimento de formas objetivas, geralmente minuciosamente testadas, de aliviar todo tipo de dores das pessoas.

Em que é que um curso de formação em Mentoring pode ser útil a todos esses terapeutas que se propõem a contribuir à superação das dores, possibilitando a seus clientes/pacientes uma vida mais plena e feliz?

O Mentoring na ampliação da ação terapêutica nas terapias complementares e integrativas

O foco do Mentoring, segundo nossa proposta, é o ser humano no seu todo, o ser humano que é parte do todo e que contém em si mesmo este todo. E é este ser humano que apresenta dores, doenças, distúrbios, fraquezas, todas as diferentes facetas de suas limitações pelas quais vem buscar o terapeuta.

Qual o olhar do terapeuta a seu cliente? Qual a visão de mundo do terapeuta? Qual seu nível de mentalidade? Quais as crenças que lhe servem de pano de fundo mental? É salvadorista? Acredita que entidades externas vão curar? Em amuletos? Em moralismos? Ou acredita que somente recursos técnicos resolvem? É muito especialista e não enxerga o todo? Acredita piamente na ciência como única solucionadora?

Acontece que, mais que sua bagagem técnica e/ou experiência profissional, o terapeuta carrega sua bagagem mental, suas crenças, superstições, herança cultural, etc. Grande parte dos terapeutas não tem consciência disso. Ignora que a realidade é aquilo que acredita que é, o que seus paradigmas mentais lhe dizem que é.

Aqui entra uma formação em Mentoring, em Holomentoring®, isto é, uma mentoria sistêmica e holística, uma visão ampliada, complexa. Uma formação que lhe faça ver seus clientes para além das aparências. Eles são sempre imensamente mais do que aquilo que eles mesmos acreditam (e falam) que são e muito mais do que aquilo que o terapeuta enxerga em sua aparência, que é sempre limitada e limitadora.

O terapeuta não apenas recebe um doente, um fraco, um sofredor, um perturbado, mas um ser pleno que apresenta limitações. O terapeuta com formação em Mentoria holossistêmica vai além. Enxerga a parte no todo, relativiza, faz uma psicossíntese maior que lhe possa permitir novos caminhos, mais adequados à cura e, sobretudo, mais participantes por parte do cliente.

O objetivo maior de uma formação em Mentoring é dar suporte metodológico e instrumentação referencial para o terapeuta ultrapassar suas limitações mentais. Ou, melhor dizendo, dar a sua experiência profissional uma visão ampliada de seu cliente. E também, como orientar seu cliente a se ver de forma ampliada, para além de suas limitações. Ajudá-lo a se descobrir como expressão da Fonte energética, que tudo pode para além das limitações próprias de seu espaço/tempo.

Enquanto mentor, o terapeuta pode servir de guia para o cliente encontrar uma nova direção para sua vida, que possa ajudá-lo a superar o que provoca sua dor, ou sua angústia, ou sua dúvida existencial.

Um terapeuta mentor pode ajudar o cliente a acreditar em si mesmo e aumentar sua confiança. Um mentor faz perguntas e lança desafios, oferecendo orientação e incentivo. Permite que o cliente possa explorar novas ideias, novas posturas de vida, com maior confiança em si, na vida e nas pessoas. É a chance de olhar mais de perto para si mesmo, seus limites, oportunidades e pontos fortes.

Conclusão

Todas as formas de atividade terapêutica têm como objetivo maior a qualidade de vida das pessoas. Médicos, em suas mais diferentes especializações, buscam dar às pessoas condições de superar suas dores. Psicoterapeutas, neurologistas, fisioterapeutas e outras tantas profissões têm rigorosa formação visando aliviar dores e expandir o bem-estar das pessoas. O mesmo também buscam, através de meios os mais diversos, massoterapeutas, acupunturistas, reikianos, fitoterapeutas, terapeutas de florais e inúmeros outros profissionais terapeutas: todos se propõem a melhorar a qualidade de vida de seus pacientes.

E é qualidade de vida das pessoas que se propõe o Mentoring, que não é uma técnica terapêutica, nem se propõe formar terapeutas. Mas, por ser uma proposta de expansão da visão de vida e de mundo, pode dar aos profissionais terapeutas condições de visualizarem com mais profundidade e expansão os problemas ou dificuldades de seu cliente, visualizando-os em contextos mais amplos e, principalmente, amplificando as possibilidades criativas de solução. Na linguagem da Teoria U, levando-os à Fonte, ao Presencing, à raiz donde podem brotar todas as novas formas de atuação.

Uma boa formação de Mentoring, pois, pode ser muito útil a terapeutas de todas as modalidades.